Contribuições extraordinárias aos planos de benefícios cresceram em 2019

As contribuições extraordinárias realizadas voluntariamente pelos participantes aos planos de benefícios cresceram ao longo de 2019, segundo diversas entidades que informaram através de seus comunicados. Fundações como Petros, Funpresp-Exe, Prevcom e Previnorte indicaram que seus participantes aumentaram o volume de aportes a seus planos no ano passado, além das contribuições normais realizadas regularmente. O fato se deve a um novo senso de importância que a Previdência Complementar vem ganhando perante a sociedade, principalmente após a Reforma da Previdência, que colocou o tema em evidência.

O Diretor Presidente da Abrapp, Luís Ricardo Marcondes Martins, tem ressaltado em suas apresentações a solidez do sistema, que paga R$ 60 bilhões em benefícios por ano, e esse aumento nas contribuições reforça ainda a credibilidade que as entidades fechadas de previdência complementar (EFPC) transmitem a seus participantes. “Temos 2,8 milhões de participantes, sendo mais de 860 mil aposentados e pensionistas. O sistema opera com grau de solvência de 100% e um patrimônio sob gestão de aproximadamente R$ 970 bilhões, devendo alcançar o primeiro trilhão daqui alguns meses”.

Segundo Luís Ricardo, as mudanças na idade mínima da aposentadoria, trazidas pela Reforma da Previdência, fazem o brasileiro refletir se é razoável deixar apenas para o INSS a responsabilidade de sua renda na aposentadoria. “Pessoas estão acordando para o fato que devem assumir algum protagonismo quando o assunto é seu futuro”, afirma o Diretor Presidente da Abrapp. Outra vantagem da EFPC é o retorno médio obtido nos últimos anos, bem acima de aplicações como o CDI ou a poupança. Em 2019, a rentabilidade média projetada pela Abrapp foi de 13,06%, bem acima da TJP de 10,73% (INPC mais 5,84%).

Aumento das contribuições – Os números apontam para o crescimento dos aportes voluntários. Os participantes da Petros, por exemplo, aproveitaram o fim do ano para fazer contribuições esporádicas para seu plano de previdência complementar. A fundação informou que arrecadou R$ 8,3 milhões apenas em dezembro de 2019, o que representa uma alta de 137% frente a dezembro de 2018. Em todo o ano passado, o montante alcançou R$ 13,7 milhões, valor 128% superior ao do ano anterior. O número de participantes com contribuições adicionais quase dobrou de um ano para o outro. Além de maior conscientização, a Petros realizou uma campanha de divulgação para mostrar aos participantes o impacto positivo dos aportes extras no saldo de aposentadoria e na declaração do Imposto de Renda.

Os planos de benefícios da Previnorte também receberam contribuições adicionais no ano passado. A entidade afirma que isso é resultado das ações de educação financeira e previdenciária que são oferecidas aos seus participantes. Em 2019, o montante de aportes voluntários somou R$ 6,6 milhões, enquanto em 2018, o volume foi de R$ 4,8 milhões. “A confiança, a satisfação com os serviços, a rentabilidade e segurança dos investimentos, as boas práticas de gestão e o fortalecimento da governança motivaram esse movimento por parte dos participantes”, declara o Presidente da Previnorte, José Benjamin.

A Funpresp-Exe divulgou que os aportes adicionais feitos pelos participantes em 2019 mais que dobraram em relação ao ano anterior, ultrapassando R$ 12 milhões. Já a Fundação de Previdência Complementar do Estado de São Paulo (Prevcom) teve um aumento de 30% no volume de contribuições adicionais de seus participantes, que subiram de R$ 5,1 milhões em 2018 para R$ 6,6 milhões em 2019. “O principal fator que leva os participantes a realizar aportes extras é a confiança na Prevcom”, diz o Diretor-Presidente, Carlos Henrique Flory.

“Os servidores, nos últimos sete anos de funcionamento da fundação, vêm identificando a Previdência Complementar como a melhor opção para planejar suas aplicações e garantir o padrão de vida que desejam ter no momento da aposentadoria. A rentabilidade acima da meta de IPCA + 5% e a consistência dos resultados superiores ao de ativos tradicionais do mercado também representam um estímulo para que os funcionários públicos passem a incluir os planos de benefícios da entidade como parte de seu portfólio de investimentos”.



Fonte: ABRAPP
Data: 12/02/2020