A reforma da Previdência saiu de férias

País terá que fazer uma reforma mais dura ou enfrentará a falência mais à frente

reforma da Previdência saiu de férias por tempo indeterminado. O governo jogou a toalha, admitindo que não tem os votos para aprová-la.

E daí? Daí que teremos pelo menos mais um ano de situação fiscal se deteriorando, o que nos garante uma reforma mais dura ou a falência mais à frente.

Parecemos disco arranhado (os mais velhos vão entender a comparação), mas repetimos mesmo assim: se o Brasil não reduzir substancialmente seu gasto com aposentadorias e pensões, vamos acabar todos como o estado do Rio de Janeiro, sem dinheiro para pagar por serviços prioritários e atrasando pagamentos e salários.

Ainda pior: o estado do Rio de Janeiro pode ter a esperança de ser socorrido pelo governo federal, enquanto o Brasil é grande demais para ser socorrido pelo resto do mundo. A Venezuela com seus refugiados famintos ou a ultraviolência de Honduras (já observada em algumas capitais do Nordeste, como Fortaleza e Natal) não são abstrações, mas um futuro possível que só será evitado se agirmos.

Mas nada disso importa para nossos congressistas. O objetivo principal é a reeleição, ainda mais para os muitos que dependem do foro privilegiado para escapar de férias compulsórias na Papuda. Evitar votar temas polêmicos reduz os riscos.



Fonte: FOLHA DE SÃO PAULO
Data: 28/02/2018