Número de participantes de fundos de pensão pode subir para 15 milhões

A Associação Nacional das Entidades Fechadas de Previdência Complementar (Abrapp) calcula que o público potencial do segmento é de 15,3 milhões, que pode ser alcançado até 2036. Atualmente com 2,5 milhões de participantes ativos em fundos de pensão, o potencial de crescimento inclui 2,7 milhões de servidores públicos; 3 milhões da população economicamente ativa que ainda não contribui para previdência complementar; 6,6 milhões de planos instituídos que podem ser criados; e 500 mil funcionários de empresas que oferecem planos mas que não aderiram a eles.

 

O novo presidente da Abrapp, Luís Ricardo Martins, que tomou posse na última terça (31) destacou que para tentar atrair esse público potencial, a Abrapp vai trabalhar durante sua gestão em quatro pilares: plano de fomento; desburocratização; aprimoramento da governança e capacitação.

 

O plano de fomento, anunciado no ano passado, visa elaborar estudos que possam sustentar propostas a serem levadas para o governo, visando o crescimento da previdência complementar fechada. A meta do plano é elevar o número de participantes ativos, que hoje representa 2,6% da população economicamente ativa (PEA), para 5% da PEA nos próximos cinco anos.

 

“Queremos sensibilizar todos os atores do sistema. Hoje sabemos que os fundos de pensão estão em desinvestimento e até 2034, os recursos podem zerar se não houver fomento”, salienta Luís Ricardo. O executivo diz que desburocratização, incentivo tributário e novos produtos para uma nova geração de trabalhadores são pontos importantes que devem ser discutidos ao longo dos próximos anos.

 

O presidente da Abrapp também destacou que a primeira proposta a ser levada para o governo este ano durante a reunião do Conselho Nacional de Previdência Complementar (CNPC), será a de adesão automática para todos os planos. “A adesão automática demonstrou ser um sucesso para os fundos de servidores da União e queremos estendê-la para todos os fundos de pensão. Acredito que esse debate foi amadurecido e podemos colocá-lo em pauta mais uma vez”, salientou. Luís Ricardo enfatizou que o CNPC deve ter um papel mais estratégico para tratar das questões de previdência complementar.

 

O presidente da Abrapp também demonstrou otimismo em relação a reforma da previdência, apesar dela ser paramétrica, mas que pode incentivar o crescimento da previdência complementar com a exigência de que estados e municípios criem planos dentro desse regime no prazo de dois anos.

 



Fonte: Previdência Total
Data: 03/02/2017

Tags: , ,